Publicidade
JUÁ GARDEN SHOPPING - 1a. EXPANSÃO
Publicidade
JUÁ GARDEN SHOPPING - 1a. EXPANSÃO
Vale do São Francisco, 22 de Novembro de 2017
Seja Bem Vindo
Postado em 11/09/2017 às 15:13
Ações de combate à hanseníase serão realizadas em Petrolina

‘Hanseníase tem cura!’ Esse é o tema que a Secretaria de Saúde de Petrolina irá trabalhar neste mês de setembro com a campanha de prevenção e combate à doença. Durante este período, a busca ativa de casos suspeitos será intensificada, além de palestras e feiras de saúde. 

A secretária executiva de vigilância em saúde, Marlene Leandro, ressalta que essa é uma campanha muito importante para Petrolina. “O trabalho de busca ativa vem sendo realizado desde o começo do ano em feiras de saúde, presídios, escolas e nas Unidades Básicas de Saúde, porém, o mês de setembro foi escolhido para intensificar a conscientizar a população, levando informação sobre a doença”, explicou a secretária.

Hanseníase em Petrolina

A situação da hanseníase no município é classificada como hiperendêmica, ou seja, os números registrados na região estão acima da média. Em 2015 foram diagnosticados na cidade 364 casos de hanseníase. Em 2016, foram 249.  No período de janeiro a agosto de 2016 foram registrados 191 casos da doença. No mesmo período deste ano o número é de 116 casos de hanseníase.

Hanseníase

A Hanseníase é uma doença infecciosa causada por um microorganismo que acomete principalmente a pele e os nervos das extremidades do corpo. Pode atingir crianças, adultos e idosos. Os primeiros sintomas podem levar de dois a cinco anos para aparecerem.

A doença, antigamente conhecida como Lepra, tem um passado de discriminação e isolamento dos doentes, que hoje não é necessário, pois a doença pode ser tratada e curada. O Brasil é o 2º país no mundo em casos de hanseníase.

Marlene Leandro explica que primeiro aparecem manchas pelo corpo ou comprometimento dos nervos. “São alterações na cor da pele e perda de sensibilidade. Mas a hanseníase pode trazer graves consequências como perda da visão e da audição, e dificuldades motoras”, destacou. Outra preocupação, segundo a secretária executiva, é com as pessoas que tem contato com o doente. “Para cada dez pessoas que convivem com alguém com hanseníase, dois podem contrair a doença. A transmissão acontece por vias áreas, ou seja, pela respiração, se o contato com o doente for constante e prolongado. O tratamento consiste num coquetel de medicamentos distribuídos exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde. O tratamento impede transmissão da bactéria”, explicou.

 




Ascom PMP
Deixe seu comentário
Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do portal Vejalogo ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
*Nome
*E-mail
*Comentário

Nenhum comentário registrado


Publicidade
REFEA CENTER 2017
JUAGRO - MARCAS DE QUALIDADE - INTERNO NOTÍCIAS
© Copyright 2015 - Veja Logo. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento ADOIS DIGITAL